Anselmo Borges

Para onde vão os mortos?

"Esta é a pergunta que está aí, in-finita"

Para onde vão os mortos?
Anselmo Borges

(Anselmo Borges).- 1. A gente nunca tem tempo. E vamos adiando, adiando… De repente, a notícia cai, brutal. E aí temos de ter tempo, porque é para a última despedida, pois chegou o nunca mais para sempre neste mundo. E vamos. E não há palavras para dizer qualquer coisa que seja minimamente eco daquilo que está cá dentro e que quereríamos dizer aos próximos, à mulher, ao marido, aos filhos… Fica tudo muito sombrio e desengonçado.

Por fora, mantém-se uma compostura, mas por dentro é um abalo sísmico numa distância incomensurável, porque é entre o tempo e a eternidade, entre o finito e o infinito. Por mais natural que aquilo tudo pareça. Nesta nossa sociedade da banalidade rasa e carcomida, criámos essa ilusão da naturalidade do que é tudo menos natural: a naturalidade da morte. Sim, ela é o mais natural que há, mas… sobre ela as perguntas atropelam-se. Porquê?

Desta vez, quem se me foi embora foi o amigo José Rodrigues. Sim. O escultor, o artista de tantas artes. Tinha prometido várias vezes a mim mesmo que ia lá vê-lo. Mas nunca havia tempo. Depois, a notícia, cortante, chegou. E lá fui eu, nas circunstâncias que já disse. Apesar de todas as palavras, num silêncio de chumbo. Até me lembrei daquele anúncio a contar como alguém já de idade, para juntar a família num jantar, teve de inventar um anúncio do seu próprio funeral. E compareceram todos…

Não me compete a mim sublinhar e exaltar a figura ímpar na cultura portuguesa que José Rodrigues foi e é como artista multifacetado em quem habitou o génio divino da Arte. E era um homem simples, amigo, com brilho e imenso humor. Acima, muito acima da banalidade do efémero. A sua obra, imensa, está aí, ensinando-nos a ver o que se vê, mas que nunca tínhamos visto como agora vemos que é possível e necessário ver, para nos erguermos à nossa altura, para cima, mais para cima, para o Divino.

Da primeira vez que nos encontrámos, fez-me seu irmão. Para ele, a irmandade em humanidade era uma evidência. E disse publicamente também que seria ele a fazer as capas de todos os livros que fosse escrevendo. E assim foi, na sua generosidade para comigo: Janela do (In)visível; Deus no Século XXI e o Futuro do Cristianismo; Religião: Opressão ou Libertação?; Janela do (In)finito; Corpo e Transcendência (que esplendor!); Deus e o Sentido da Existência; Quem Foi – Quem é Jesus Cristo? Uma dívida que nunca poderei saldar. Já não pôde fazer a deste último, que acaba de sair: Deus, Religiões, (In)Felicidade.

Um artista verdadeiro tem a sua morada no Sagrado. Por isso pode viver distanciado da religião institucional, mas o Mistério pertence ao seu convívio íntimo. Quem não se exalta e recolhe naquela sua colecção de Cristos? Só um exemplo. O Sagrado e o seu mistério na crueza do sofrimento, anunciando transfiguração (são ele). Uma vez disse–me: «Se Deus fosse mesmo meu amigo, punha-me tinta de várias cores a sair dos dedos para poder pintar directamente». E fez-me muitas vezes a pergunta: «Anselmo, para onde vamos quando morrermos?»

2. Nestes termos ou parecidos, esta é a pergunta que está aí, in-finita, desde que na história da evolução o ser humano deu entrada. Diante dela, a variedade de respostas é uma história longa, que esbarra sempre com um abismo de perplexidade, assim, com Pascal: «Incompreensível que Deus exista, e incompreensível que não exista; que a alma seja com o corpo, que não tenhamos alma; que o mundo seja criado, que o não seja, etc.» Este «etc.» não tem fim, incluindo também: incompreensível que haja vida depois da morte, que com a morte acabe tudo.

Onde é que eu estarei quando cá já não estiver?, é a pergunta lancinante que Tolstoi coloca na boca de Ivan Ilitch moribundo. «Para onde vão os mortos», perguntava o filósofo B. Welte. E reflectia: para o Silêncio? Para o Nada? É este Nada que a todos espera. Ninguém pode escapar-lhe. E não há ninguém que alguma vez tenha voltado. Nesta situação-limite ergue-se, cortante, a pergunta ineliminável: «Porque é que há algo e não pura e simplesmente nada?», a pergunta propriamente metafísica.

Esta dimensão inobjectivável e para lá do conceptualizável da transcendência não é construída pelo ser humano mediante o pensamento. Pelo contrário, é o pensamento que é desafiado por ela, e é o ser humano que é inevitavelmente confrontado com ela.

Não está, à partida, decidido como deve ser interpretado este Silêncio e este Nada. Trata-se de um silêncio morto ou de um Silêncio vivo, habitado? Trata-se de um nada negativo ou de um Nada enquanto ocultação absoluta do Mistério vivo, como quando dizemos: aqui não vejo nada, mas sabendo que lá pode estar algo e até o essencial? Quando se olha para o Sol não se vê nada, tal é o excesso de luz.

Este nada é pura e simplesmente nada, e assim tudo é sem sentido último, ou, pelo contrário, o Nada experienciado na morte é a figura do Mistério oculto que a tudo dá sentido e fundamento?

José Rodrigues não foi embora. Ele está onde sempre esteve. No Sagrado. Na Beleza.


CONTRIBUYE CON PERIODISTA DIGITAL

QUEREMOS SEGUIR SIENDO UN MEDIO DE COMUNICACIÓN LIBRE

Buscamos personas comprometidas que nos apoyen

COLABORA
Autor

José Manuel Vidal

Periodista y teólogo, es conocido por su labor de información sobre la Iglesia Católica. Dirige Religión Digital.

Recibe nuestras noticias en tu correo

Lo más leído