Anselmo Borges

O segredo de Francisco: tempo para o ócio silente

"Parar, para que tenham lugar e tempo a contemplação, a meditação, a oração"

O segredo de Francisco: tempo para o ócio silente
Anselmo Borges

Fazer silêncio, precisamente para ouvir o silêncio e o que só no silêncio se ouve: a voz da consciência e do sentido

(Anselmo Borges, en DN).-Deixo aqui os meus melhores votos para o novo ano, desejando a todos saúde, paz, realizações felicitantes e também o que me parece de suprema urgência: ao longo do ano todo, algum tempo para o ócio silente.

Uma das características da nossa época, que causa estragos sem fim, é a agitação geral e frenética, consumista, que tudo devora. O nosso tempo não tem lugar para o ócio, aquele ócio de que fala a scholê grega. Vivemos, como dizia o grande bispo do Porto D. António Ferreira Gomes, na «agitação paralisante e na paralisia agitante», isto é, não vivemos verdadeiramente. Porque o autenticamente humano está recalcado.

Vivemos na dispersão agitada e agitante, sem encontro autêntico connosco e, portanto, também com os outros e com o essencial da vida. A net contribui frequentemente para fazer aumentar esta agitação alienada e alienante, e até estupidificante, pois todos podem agora, escondidos no anonimato cobarde, pronunciar-se sobre tudo, mesmo desconhecendo completamente as temáticas e as suas complexidades, ou, mediante manipulações algorítmicas a favor de interesses, enganar.

Na presente agitação e atomização temporal, submersos pelo tsunami informativo e pela competição tóxica, é muito difícil erguer uma identidade pessoal integrada, íntegra e consistente. Também por isso, não vejo as pessoas mais felizes, pelo contrário, aumentam as depressões. Realmente, para se alcançar a felicidade, é essencial o apaziguamento e a serenidade interiores, o estar de bem consigo. Hoje são conhecidos, através da imagiologia cerebral, os efeitos benéficos da meditação no cérebro, concretamente sobre o stress e a ansiedade.

Significativamente, o verbo mederi, com o radical «med-«, que significa «pensar, medir, julgar, tratar um doente, curar», está na base etimológica de três palavras: meditação, moderação e medicina. O reconhecer-se, a presença de si a si mesmo não significam de modo nenhum narcisismo, pois, quando se pára, se pensa e reflecte, lá no mais profundo, encontramos o mistério da Fonte donde tudo provém e a que estamos religados, em interconexão com todos e com tudo.

Então, de que é que precisamos? De parar, para que tenham lugar e tempo a contemplação, a meditação, a oração. E isso só se cumpre com o ócio. A palavra ócio (em latim, otium, que significa tempo de repouso, vagar, ócio, retiro, solidão, paz) é solidária com a palavra grega scholê, donde procede a nossa «escola» e significa ócio, o ócio para a actividade dos homens livres, a liberdade para pensar e governar a pólis.

O ócio da scholê nada tem a ver com a preguiça, que é um vício e que devemos todos condenar, pois preguiçoso é aquele que não quer trabalhar, que vive na indolência, à custa dos outros, encostado ao Estado, sem cumprir diligentemente os seus deveres. O ócio, esse tem a ver com concentrar-se, contemplar, ser si mesmo, viver. Para lá da agitação devoradora e da banalidade rasante, parar, ser e estar e viver no melhor, no Divino, na Beleza, na Vida.

Fazer silêncio, precisamente para ouvir o silêncio e o que só no silêncio se ouve: a voz da consciência e do sentido. Eu vejo o ócio essencialmente como um parar. Para se poder viver na Vida, no essencial. Tem a ver com o saborear o instante do vivido, o milagre do ser e de se ser, do viver. Quando é que se vive? Agora. Viver é fim em si mesmo, na alegria do viver na plena consciência. A vida não pode esgotar-se, como acontece tão frequentemente, num meio para outra coisa, para atingir um fim ou fins.

Entendo o ócio naquele sentido profundo de «tempo» para meditar, pensar, recentrar-se, ir ao essencial, viver na profundidade. Sem o ócio no sentido da scholê grega, portanto, da liberdade para poder pensar, não há pensamento autêntico. Hoje, o que é que temos? Exactamente o contrário do ócio, pois tudo está transformado em negócio (neg/ócio), predominando os interesses e esquecendo os valores. No contexto e na rede dos negócios, calcula-se, vale o mensurável, está-se no uso e domínio da razão calculadora, da razão instrumental, de que fala a Escola Crítica de Frankfurt, não se pensa propriamente. Já não há pensamento, porque os negócios, que ocupam todo o espaço e tempo, são da ordem do cálculo.

Foi neste sentido que o filósofo M. Heidegger preveniu, dizendo que a técnica não pensa. Não pensa, porque é da ordem do mensurável e do cálculo. Esta é também uma das razões fundamentais para explicar a situação actual da política e dos políticos, que tanto têm descido na consideração pública: a cumplicidade entre a política e os negócios. Tudo se tornou negócio e os políticos não encontram tempo-ócio para ler, para meditar, para reflectir sobre o essencial. O que lhes interessa fundamentalmente, nesta sociedade-espectáculo, é estar «armados» com respostas rápidas e imediatas e em consonância com os seus interesses e com o que consideram serem as expectativas dos seus eleitores, quando lhes aparecer pela frente uma qualquer televisão ou microfone.

No meu entender, e considero isto essencial, eles têm de encontrar tempo, fazer pausa, para reflectir, meditar, ler o fundamental. Se quiserem de facto passar a estadistas e estar à altura do momento verdadeiramente histórico, tão complexo, ameaçador e dramático, que vivemos.

O Papa Francisco, que, neste nosso mundo global, talvez seja o líder político-moral mais amado e é um dos mais influentes, levanta-se muito cedo todas as manhãs. Para quê? Para, no ócio silente e criador, antes de todas as suas tarefas, poder rezar, contemplar, encontrar-se consigo no mais profundo de si, lá onde se encontra com o mistério da Presença enquanto Fonte, Deus. Este é o seu segredo: «Entrar no mistério significa capacidade de assombro, de contemplação; capacidade de escutar o silêncio e sentir e ouvir o sussurro desse fio de silêncio sonoro no qual Deus nos fala.»

CONTRIBUYE CON PERIODISTA DIGITAL

QUEREMOS SEGUIR SIENDO UN MEDIO DE COMUNICACIÓN LIBRE

Buscamos personas comprometidas que nos apoyen

COLABORA
Autor

José Manuel Vidal

Periodista y teólogo, es conocido por su labor de información sobre la Iglesia Católica. Dirige Religión Digital.

Recibe nuestras noticias en tu correo

Lo más leído