Anselmo Borges

As mulheres na Igreja e na sociedade

"Deus não se pode opor aos direitos humanos"

As mulheres na Igreja e na sociedade
Anselmo Borges

"A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem falhado" (Aristóteles)

(Anselmo Borges).- 1- Devemos a vida a uma mulher, à mãe. Claro que também ao pai, mas a nossa mãe poderia ter-nos rejeitado e não nasceríamos. Se alguém se sacrificou e nos amou e ama é a mãe. Dá, pois, que pensar o modo como as mulheres são tratadas ao longo da história e, nessa história, também as religiões são acusadas, pois, com excepção do taoísmo, tendem para a misoginia.

Ficam aí alguns textos universais significativos. «A mulher deve adorar o homem como a um deus» (Zaratustra). Um texto antigo budista diz que «a filha deve obedecer ao pai; a esposa, ao marido; por morte deste, a mãe deve obedecer ao filho». «A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem falhado» (Aristóteles). «Toda a malícia é leve, comparada com a malícia da mulher» (Bíblia, Ben Sira). «Dou-te graças, Senhor, por não ter nascido mulher» (oração dos judeus ortodoxos). «As mulheres estão essencialmente feitas para satisfazer a luxúria dos homens. Não permito à mulher ensinar nem ter autoridade frente ao homem, mas estar em silêncio» (São João Crisóstomo). «A ordem justa só se dá quando o homem manda e a mulher obedece» (Santo Agostinho). «Nada mais impuro do que uma mulher com a menstruação. Tudo o que toca fica impuro» (São Jerónimo). «No que se refere à natureza do indivíduo, a mulher é defeituosa e mal nascida, porque o poder activo da semente masculina tende a produzir um ser perfeito parecido, do sexo masculino, enquanto que a produção de uma mulher provém de uma falta do poder activo » (Santo Tomás de Aquino). «Os homens têm autoridade sobre as mulheres em virtude da preferência que Deus deu a uns sobre outros» (Alcorão, que permite desposar duas, três ou quatro mulheres e também bater nas que se rebelem).

2- Razões para esta situação? As primeiras figurações da divindade foram femininas, mas, depois, com a sedentarização, seguiu-se, também no domínio religioso, o modelo predominantemente patriarcal, com as mulheres no lar e sob a tutela dos homens. Haverá inconscientemente por parte dos homens inveja do prazer feminino, e da vida quem percebe são as mulheres. Embora elas sejam mais resistentes, os homens têm mais força física. As mulheres estavam sujeitas à impureza ritual e eram consideradas passivas também na geração, pois o óvulo feminino só foi descoberto em 1827; dada esta passividade, a mulher não poderia ser imagem de Deus e, embora Deus esteja para lá da determinação sexual, nunca se poderia recitar o Credo, dizendo: «Creio em Deus, Mãe todo-poderosa, criadora dos céus e da terra.» Ela não poderia pregar. Foi um escândalo quando o Papa João Paulo I disse que Deus também é Mãe. Mas o Papa Francisco disse recentemente que «Deus é Pai e é Mãe». E há outra razão: quem escreveu os textos eram homens, a educação era para os rapazes…

3- E Jesus? Escandalosamente, tinha discípulos e discípulas. Segundo o Evangelho de São Lucas, «acompanhavam-no os Doze e algumas mulheres», ensinava tanto homens como mulheres, ficando em casa, por exemplo, de Marta e Maria. Deixou-se tocar e acarinhar publicamente por uma prostituta, louvando o seu gesto de o perfumar e perdoou-lhe os pecados. Seguiram-no até à morte, como se lê no Evangelho segundo São Mateus: «Junto à cruz havia muitas mulheres que tinham seguido Jesus desde a Galileia, entre elas Maria Madalena, Maria mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu.» Contra a Lei, defendeu a adúltera e curou a filha de uma estrangeira, a cananeia, bem como a mulher com um fluxo de sangue, que o tocou.

Contra os preceitos da época, que impediam normalmente as mulheres de se dirigir aos homens em público, foi à samaritana – tinha tudo contra ela: outro povo, herética, ia no sexto marido… – que Jesus se revelou como o Messias. As primeiras testemunhas da ressurreição, da fé em que Jesus, na morte, não caiu no nada, mas está vivo em Deus para sempre, foram mulheres, a começar por Maria Madalena, chamada por Rábano Mauro e Tomás de Aquino a «Apóstola dos Apóstolos».

4- São Paulo era misógino? Há textos temíveis: «As mulheres estejam caladas nas assembleias, porque não lhes é permitido tomar a palavra e, como diz também a Lei, devem ser submissas» (Primeira Carta aos Coríntios). «A mulher receba a instrução em silêncio, com toda a submissão. Não permito à mulher que ensine, nem que exerça domínio sobre o homem, mas que se mantenha em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E não foi Adão que foi seduzido, mas a mulher que, deixando-se seduzir, incorreu na transgressão» (Primeira Carta a Timóteo).

Hoje, os exegetas sabem que estes textos não pertencem a São Paulo, são posteriores e interpolações indevidas. Como poderiam ser de São Paulo, que está na base da tomada de consciência da igual dignidade de todos, ao proclamar, na Carta ao Gálatas: «Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher, porque todos sois um só em Cristo Jesus»? E não chamou «apóstola» a Júnia?

5- Teólogos eminentes, como Karl Rahner, Yves Congar, o cardeal Martini, o cardeal José Policarpo, o cardeal Karl Lehmann, mostraram que não há nenhuma razão teológica que se oponha à ordenação sacerdotal de mulheres. Para lá de tudo: Deus não se pode opor aos direitos humanos.

6- Entretanto, revolução maior na história a caminho – as francesas votaram pela primeira vez em 1945 e as suíças só em 1971 – é a emancipação feminina e o acesso das mulheres ao poder, com consequências à vista: transformação das relações sociais, na família, na educação, no domínio sexual, no trabalho… Elemento decisivo: a educação. Depois, como escreve J.-L. Servan–Schreiber, «o politicamente correcto tende a minimizar as diferenças entre os sexos; mas a biologia resiste.» Portanto, igualdade na diferença. Mas igualdade, sem discriminação.

CONTRIBUYE CON PERIODISTA DIGITAL

QUEREMOS SEGUIR SIENDO UN MEDIO DE COMUNICACIÓN LIBRE

Buscamos personas comprometidas que nos apoyen

COLABORA
Autor

José Manuel Vidal

Periodista y teólogo, es conocido por su labor de información sobre la Iglesia Católica. Dirige Religión Digital.

Recibe nuestras noticias en tu correo

Lo más leído